TENTAÇÃO, PECADOS E CONSEQUÊNCIAS !

"Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta. " (Hebreus 12.1)

Conforme o escritor aos Hebreus "o pecado nos rodeia de perto". Realmente, ele está a um clic de mouse, a um apertar da tecla do controle remoto da TV, a uma ligação telefônica para um disk alguma coisa. Está ao nosso lado, na empresa que trabalhamos, está no "Happy Hour" com os amigos e etc.  Com o advento de novas tecnologias como a internet, vieram as facilidades, inclusive a de pecar. Basta digitar uma palavra no Google e milhares de páginas abrem-se diante dos seus olhos. Sendo assim, a nossa atenção precisa ser redobrada, pois o pecado depois de consumado traz consigo as consequências, inclusive a morte.

Fique atento! Para o pecado ser consumado algumas portas precisam ser abertas antes. Portanto, não podemos vacilar. Precisamos mantê-las fechadas. Veja:

Tentação: é um estímulo ou indução a um ato que pareça atraente, ainda que seja inapropriado ou contradiga alguma norma ou convenção social sendo, consequentemente, proibido.

"Cada um, porém, é tentado pela própria cobiça, sendo por esta arrastado e seduzido.
Então a cobiça, tendo engravidado, dá à luz o pecado; e o pecado, após ter-se consumado, gera a morte." (Tiago 1.14-15 NVI)

Conforme Tiago nos ensina, a tentação se constitui num processo que passo a passo leva ao pecado:

1- Primeiro vem a atração pelos sentidos: visão, audição, olfato, gosto e tato;

2- Engodada pela própria consciência, a pessoa é atraída, seduzida;

3- Concepção do desejo: Na mente e nos pensamentos o desejo é concebido. Só se faz o que se pensa. "Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem."(Marcos 7.21-23). Neste ponto, ainda se pode evitar o pecado.

4- O pecado é gerado: Ainda na mente, já nasce o pecado.

5- A consumação do pecado gera morte de ordem fisíca e espiritual. Nesse ponto, só há solução se houver arrependimento, em vida.

Quando analisamos o pecado de adultério de Davi, concluímos que houve pelo menos três fatores para a concepção de tal pecado:

1- Davi estava ocioso(o povo foi a guerra e ele ficou no palácio). Dormiu até tarde, se levantou e foi até a sacada;

2- Viu uma mulher tomando banho, poderia ter se virado e entrado, mas continuou admirando (atraído pelo que viu);

3- Aproveitou-se da posição que ele ocupava e mandou buscar a mulher (deu a luz a cobiça);

4- Pecado consumado! Deitou-se com a mulher, adulterou.

Não podemos deixar de salientar que antes de Davi pecar ele teve chance de voltar, inclusive foi avisado por seus servos sobre a mulher: "...Porventura não é esta Bate-Seba, filha de Eliã, mulher de Urias, o heteu?" (II Samuel 11.3), mas ele não quis saber. 

A tentação é uma realidade bem presente. Ninguém está imune. Ser tentado não é pecado, mas ceder sim.   O pecado consumado atinge outras pessoas, além daquele que o cometeu. A partir do seu pecado, Davi começou a descer ladeira abaixo. Cometeu homicidio matando o marido de Bate-Seba, ela ficou grávida, a criança nasceu e morreu logo depois. O pecado destrói a juventude, a família, a saúde. O pecado é oportunista. Contra tais instrumentos, utilizados para originar a tentação e em seguida a concepção do pecado, a Palavra de Deus nos adverte várias vezes, afim de que este não gere a morte.

“Abstende-vos de toda a aparência do mal” (1 Ts 5.22).

O pecado traz consequências emocionais, espirituais e físicas. “Por causa disso [do pecado], há entre vós muitos fracos e doentes e muitos que dormem” (1 Co 11.30). A Palavra de Deus adverte: “Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis; a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos” (Tg 5.16). Somente Jesus pode perdoar nossos pecados. É necessário arrependimento e abandono das práticas pecaminosas. "O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia." (Provérbios 28:13). Davi pôs em prática isso e clamou ao Senhor: “[…] Tem piedade de mim; sara a minha alma, porque pequei contra ti” (Sl 41.4). Deus teve misericórdia e o perdoou, mas ele sofreu todas as consequências.

Lembre-se:

"Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo." (1 João 2:1)

Sem mais, fiquem na Paz!