Pular para o conteúdo principal

CONFIANDO EM CARROS E CAVALOS!




A superioridade de uma nação na guerra sempre é medida pelo seu poder bélico. Suas armas e todos os seus equipamentos são essenciais para mostrar a sua força. No passado também era assim. Não existiam armamentos desenvolvidos como os de hoje, mas as nações mais poderosas possuíam milhares de carros e cavalos e isto costumava amedrontar o possível inimigo, deixando-o em desvantagem mesmo antes do início da batalha.

Quando lemos a bíblia, mais especificamente no livro de Deuteronômio capítulo 17,  vemos que a orientação de Deus para o rei e o povo de Israel era totalmente diferente. Ele determinava que o rei não deveria adquirir para si muitos carros e cavalos. Ordenava que não voltassem ao Egito, donde saíram, para buscar nenhum animal.

 Entendemos a luz das escrituras que nos combates o povo israelita não deveria basear sua confiança em seus carros e cavalos como os outros povos, mas ela deveria estar única e exclusivamente no Deus que serviam e que os ajudava sempre que precisavam. Vemos pela história bíblica que muitos reis não seguiram esta orientação, todavia, em algum momento de suas vidas conseguiram enxergar o valor deste maravilhoso conselho divino.

Todos conhecem a história de Davi, rei poderoso, possuidor de um grande exército. Tinha ao seu lado homens valentes que davam suas vidas por ele. Provavelmente, possuia número considerável de carros e cavalos. Mas, pelo que escreveu podemos observar que para ele  isto de nada valia frente a proteção do Deus Todo-Poderoso:

"Agora sei que o Senhor salva o seu ungido, Ele ouvirá desde o seu santo céu, com força salvadora da sua mão direita. Uns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do Senhor nosso Deus"  (Salmos 20.6-7)

 Salomão, seu filho, tornou-se ainda mais poderoso e próspero. No livro de I Reis capitulo 10 e versículo 26 está escrito que ele ajuntou 1400 carros e tinha cerca de 12.000 cavaleiros e consequentemente cavalos que eram trazidos do Egito, contrariando o que Deus ordenara. A partir destes fatores juntando-se a outras desobediências, o reinado de Salomão começou a sucumbir. Mas, quando lemos os Provérbios, na sua maioria escrita por ele, notamos que assim como seu pai Davi, a conclusão que Salomão teve foi a mesma:

"O cavalo prepara-se para a batalha, mas do Senhor vem a vitória"  (Provérbios 21.31)

Se homens poderosos como Davi e Salomão enxergaram esta premissa, por que não conseguimos parar e visualizar tão grande ensinamento? 

Assim como grandes nações, em nossas batalhas costumamos nos apoiar em algo que nos traga confiança. 
Geralmente, essa confiança vem de coisas materiais, daquilo que estamos vendo. Nosso apoio pode ser um amigo influente, um político, um parente rico, nossos pais. Pode ser também nosso salário, emprego,  formação e etc. 

A verdade é que existem lutas em nossas vidas que precisam de algo mais. As vezes batalhamos contra uma doença, contra as drogas, vícios, desavenças, contendas, desilusões amorosas entre outras coisas que nossas capacidades humanas ou valores monetários não resolverão. É nesta hora que a história de Deus cruza-se com a nossa. Neste momento a nossa necessidade passa a ser Ele.

Não há exército que possa se comparar ao poder de Deus!  

Veja o que escreveu o profeta Isaías:

" Ai dos que descem ao Egito a buscar socorro, e se estribam em cavalos: e tem confiança em carros, porque são muitos; e nos cavaleiros, porque são poderosíssimos, e não atentam para o Santo de Israel, e não buscam ao Senhor"  (Isaías 31.1)


Com todos os recursos que você possa ter, não deixe de lado o mais importante. Deus quer fazer por você aquilo que ninguém pode fazer, mudar aquilo que parece ser impossível, curar o que para os médicos não tem cura, salvar aquilo que já estava perdido e ressuscitar aquilo que já estava morto.

Sem mais, fiquem na Paz!

Fábio 

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE EU FAÇO NÃO ENTENDES AGORA!

Pedro não estava entendendo o gesto de Jesus em lavar os pés dos discípulos e não queria aceitar aquela atitude do Mestre. Mas Jesus sabia o que estava fazendo e queria mostrar mostrar algo mais para eles.

“Respondeu-lhe Jesus: O que eu faço, tu não o sabes agora; mas depois o entenderás” (João 13.7)
Quando Jesus nos promete algo, a nossa ansiedade nos leva a querer saber o que irá acontecer, como Ele vai fazer, quando vai ocorrer. Não raramente acabamos por querer influenciar de alguma maneira. Buscamos situações que se encaixam naquilo que Ele prometeu. Se é benção material pensamos na origem do dinheiro, como virá, será que vou ganhar algum prêmio? Será que vou receber de alguém? Se é benção espiritual, achamos que acontecerá no dia em que vem um pregador de renome na igreja ou um irmão com dons espirituais. Quando não ocorre nestas ocasiões costumamos nos entristecer e desanimar e em casos mais extremos pensarmos que não ocorrerá mais.
Mas, não se preocupe! Em Isaías 55:9 está escrit…

PERDER PARA GANHAR!

Todo ser humano gosta de competir, mostrar força, inteligência e habilidade. Somos criados assim. Desde os primeiros anos escolares nos incentivam a sermos melhores na escola, nos jogos, nas brincadeiras. Na faculdade, somos levados a olhar nossos colegas de classe como concorrentes no mercado de trabalho e por isso precisamos ser melhor que eles e assim vai. Não aceitamos perder, temos que ganhar sempre.  Mas e quando a perda chega ? Como lidaremos com ela? Estamos preparados para perder?

Quando olhamos para a Igreja contemplamos muitos que permanecem na visão do ganhar sempre. Frequentam a igreja buscando conseguir carros, casas, bons salários, enfim, toda sorte de bençãos materiais.

Deus em sua infinita sabedoria não vê como o homem e consequentemente trabalha de maneira diferente.  O trabalhar de Deus na vida do homem envolve perdas. O o mais importante para Ele é a Salvação do ser humano.

"Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?" Marcos …