"CURA GAY" - O LADO TENDENCIOSO DA IMPRENSA!

Muito se tem falado nos últimos dias sobre "Cura Gay".`O destaque dado pela mídia é imenso, principalmente quando diversos artistas e outros formadores de opinião destilam seu ódio contra o Deputado Pastor Marcos Feliciano e o seu projeto. Infelizmente, o desconhecimento do conteúdo do projeto e as reportagens tendenciosas que tem sido veiculadas, levam muitos a opinar contrariamente e a alimentar sua raiva contra o referido pastor. Por este motivo reproduzo o texto do Pastor Renato Vargens, em que, sucintamente esclarece os fatos e mostra o outro lado que a mídia insiste esconder.


UMA BREVE CONSIDERAÇÃO SOBRE A CHAMADA "CURA GAY"


Parte da imprensa está sendo extremamente tendenciosa quanto ao sentido e significado daquilo que chamam de "Cura gay".

Antes de qualquer coisa é necessário com que entendamos o Projeto de Lei em si. Na verdade, o PDL 234/2011 não faz nenhuma referência a cura, mesmo porque, a homossexualidade não é uma doença e sim um comportamento aprendido. Portanto, a imprensa ao chamar o projeto em questão de “cura gay” o faz de forma tendenciosa mentindo descaradamente tentando com isso manipular a opinião da população brasileira.

Isto posto, vamos aos fatos: o que o projeto diz é que o Conselho Federal de Psicologia não pode impedir que psicólogos ajudem os homossexuais que decidirem por vontade própria pedir ajuda sobre a sua sexualidade.

Caro leitor, vamos combinar uma coisa? Nenhuma entidade de classe profissional, religiosa ou quem quer que seja, pode tolir uma pessoa de buscar ajuda se ela assim desejar e decidir. O que o Conselho Federal de Psicologia tenta fazer ao impedir com que psicólogos tratem de homossexuais é uma afronta a Constituição Brasileira.

Por favor, pare, pense e responda: Por que um heterossexual pode pedir ajuda a um psicólogo sobre sua sexualidade e um homossexual não? Ora, um heterossexual pode buscar ajuda psicológica para "assumir" sua homossexualidade, mas um homossexual não pode fazê-lo para sair dela? Dois pesos, duas medidas? É isso?

Prezado amigo, cada um é o que quer. As pessoas são livres para fazerem o que quiserem na vida, no entanto, elas não possuem o direito de cercear a vontade daqueles que desejam por exemplo abandonar a homossexualidade. Portanto, o PDL não trata de uma cura gay e sim de permitir a quem quer que seja o direto de ser ajudado profissionalmente.

É isso!

Renato Vargens

Sem mais, fiquem na Paz!

Fábio