domingo, 26 de agosto de 2012

CRENTE VEGETARIANO E CRENTE CARNÍVORO (ONÍVORO)


Antes de tudo, quero relembrar a todos que Deus é sábio. Ele criou o estômago, o paladar e as comidas, colocou o ser humano no topo da cadeia alimentar.

Tantos as carnes quanto os vegetais possuem valores nutritivos para o ser humano:

Vegetais: proteínas, carboidratos, lipídeos, vitaminas e sais minerais;

Carne: água, proteína, lipídeos, vitaminas, e minerais.

Sou um cristão que come carnes e tenho total respeito pelas pessoas que escolhem viver a vida como vegetarianas. Gosto não se discute.

Sou aquele que classificam como onívoro. Isto é, eu como de tudo. Mamíferos, répteis, aves e anfíbios. Também aprecio plantas e os produtos delas: frutas, legumes, verduras, hortaliças, tubérculos. Mas, ainda não tive coragem para experimentar o gafanhoto, inseto predileto do profeta João Batista, que apesar de não comer carne, vestia-se com pele de animal. (não tenho esses sonhos de consumo alimentar e nem de moda!). Mateus 3.4; Lucas 7.33.

Apesar de me alimentar com carnes vermelhas e brancas, não sinto falta delas. Aceito de bom grado os pratos contendo vegetais e legumes. Mas também não sinto falta e nem faço questão por ter apenas eles. Aprendi que a porção mais rica nutricionalmente é o prato que contém o maior número de cores. Então, gosto mais do almoço ou jantar cuja refeição é multicolorida, não pelo sabor, mas porque sei que é o mais saudável para mim.

Ao ler a Bíblia Sagrada, eu me lembro que no princípio o Criador da fauna e da flora manifestou o desejo que o ser humano fosse vegetariano, mas depois do dilúvio determinou que comesse carne (Gênesis 1.29-31; 2.9, 16; 3.2-3). Encontramos nas Escrituras Sagradas muitos registros sobre a liberdade cristã quanto às preferências pela comida.

Não existe da parte do Senhor uma receita culinária, orientando a comer, ou deixar de comer, vegetais ou carne. Existe regramento sobre quais condições das carnes que devem ser comidas e a proibição de beber sangue.

Atos 21.25: "Quanto aos gentios convertidos, já lhes escrevemos a nossa decisão de que eles devem abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual".

Quanto à culinária, existe a proibição contra quem queira acabar com a liberdade que o cristão tem para alimentar-se. Ninguém tem base doutrinária para criar regras sobre o que o cristão deve ou não ingerir. Não há nenhuma pessoa sobre a terra com autoridade espiritual que possa apresentar base doutrinária impondo diretrizes sobre o que o cristão possa comer ou precisa evitar comer.

As Escrituras são duríssimas contra aqueles que tentam restringir a liberdade à mesa. 1ª Timóteo 4.1-5, veja: “O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios. Tais ensinamentos vêm de homens hipócritas e mentirosos, que têm a consciência cauterizada e proíbem o casamento e o consumo de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ação de graças pelos que crêem e conhecem a verdade. Pois tudo o que Deus criou é bom, e nada deve ser rejeitado, se for recebido com ação de graças, pois é santificado pela palavra de Deus e pela oração”.

Em Atos 10.9-16, encontramos a passagem em que o apóstolo Pedro tem um arrebatamento de sentidos e recebe uma revelação por três vezes seguidas de uma voz que lhe diz: "mata e come". A voz manda-o matar e comer animais de todas as espécies, todos as espécies de animais que a religião judaica considerava, cerimonialmente, limpos ou imundos.

Quem quer ser vegetariano, seja. Quem é carnívoro, que coma carne. Onívoros, bom apetite! Referências: Neemias 8.10; Jeremias 17.1; 29.5; 1 Coríntios 10.25.

Há proibição dos excessos alimentares. A glutonaria é pecado. Deus não aceita os glutões, sejam eles apreciadores dos vegetais ou da carne (Gálatas 5.16-23). Aqui na terra, carnes e vegetais fazem parte do cardápio do cristão, mas quando chegarmos no céu não teremos mais fome (Apocalípse 7.16).

O apóstolo Paulo defendeu a preferência e a liberdade gastronômica do cristão, portanto, que o gosto culinário de cada um não seja pretexto para contendas.

“Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu” - Romanos 14.2-3.

A única espécie de carne condenável nas Escrituras Sagradas é no sentido simbólico. O Novo Testamento usa o termo "carne" para designar o desejo do coração humano para pecar (Gálatas 5.16-23).

E.A.G.


Sem mais e com muita fome, fiquem na Paz!

Fábio

Leia também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...