quinta-feira, 30 de agosto de 2012

UMA NOVA CHANCE !



Havia um homem muito rico, possuía muitos bens, uma grande fazenda, muito gado e vários empregados a seu serviço.

Tinha ele um único filho, um único herdeiro, que, ao contrário do pai, não gostava de trabalho nem de compromissos. O que ele mais gostava era de festas, estar com seus amigos e de ser bajulado por eles. Seu pai o advertia que seus amigos só estavam ao seu lado, enquanto ele tivesse o que lhe oferecer, depois o abandonariam. Os insistentes conselhos do pai retiniam os ouvidos e logo se ausentava sem dar o mínimo de atenção.

Um dia o velho pai, já avançado na idade, disse aos seus empregados para construírem um pequeno celeiro e dentro dele uma forca, e junto a ela uma placa com os dizeres: "Para você nunca mais desprezar as palavras de seu pai".

Mais tarde chamou o filho, o levou até o celeiro e disse: "Meu filho quando eu partir, você tomará conta de tudo o que é meu e sei qual será o seu futuro. Você vai deixar a fazenda nas mãos dos empregados e irá gastar todo dinheiro com seus amigos, irá vender os animais e os bens para se sustentar e quando não tiver mais dinheiro, seus amigos irão se afastar de você. E quando você não tiver mais nada, vai se arrepender amargamente de não ter me dado ouvidos. É por isso que eu construí essa forca, sim, ela é para você, e eu quero que me prometa que se acontecer o que eu disse, você se enforcará nela."

O jovem riu, achou absurdo, mas, para não contrariar o pai, prometeu e pensou que jamais isso pudesse ocorrer. O tempo passou, o pai morreu e seu filho tomou conta de tudo, mas assim como se havia previsto, o jovem gastou tudo, vendeu os bens, perdeu os amigos e a própria dignidade. Desesperado e aflito, começou a refletir sobre sua vida e viu que havia sido um tolo, lembrou-se do seu pai e começou a chorar e dizer: "Ah, meu pai, se eu tivesse ouvido os teus conselhos, mas agora é tarde, é tarde, é tarde demais".

Pesaroso, o jovem levantou os olhos e avistou o pequeno celeiro, era a única coisa que lhe restava. A passos lentos se dirigiu até lá e, entrando, viu a forca e a placa empoeirada e disse:"Eu nunca segui os conselhos do meu pai, não pude alegrá-lo quando estava vivo, mas pelo menos, desta vez vou fazer a vontade dele, vou cumprir minha promessa, não me resta mais nada".

Então subiu nos degraus e colocou a corda no pescoço, e disse:- "Ah se eu tivesse uma nova chance..." Então pulou, sentiu a corda por um instante apertar sua garganta, mas o braço da forca era oco e quebrou-se facilmente, o rapaz caiu no chão, e sobre ele caíram jóias, esmeraldas, pérolas, diamantes; a forca estava cheia de pedras preciosas, e um bilhete que dizia: "Essa é sua nova chance, eu te amo muito". Seu pai.

Autoria Desconhecida 
 
Extraído do Blog Atitude de Aprendiz
 
Comentário do autor deste blog
 
Assim como no texto acima nosso Pai Celestial sempre dá uma chance, portanto, não desperdiçe-a. A Sua misericórdia é algo maior do que podemos compreender, porém, não arrisque sua vida atrás de coisas passageiras que trazem prazer momentaneo e que podem levar por um caminho sem volta. Se Deus tem dado nova chance agarre com força e tenha uma vida plena com Ele.
 
Lembre-se: "As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim." (Lamentações 3:22)
  Sem mais fiquem na Paz!

terça-feira, 28 de agosto de 2012

CORRENDO ATRAS DO QUE IMPORTA!


Certo homem vivia sossegadamente, sem se incomodar com as coisas que aconteciam ao seu redor. Achava que tudo estava bem e os problemas eram empurrados sempre para frente, não eram resolvidos. A vida foi passando e sua mente pouco a pouco cauterizando, de forma que, tudo aquilo que lhe parecia bem, na verdade estava desmoronando.

Este homem não era mal, apesar de não expressar seus sentimentos, tinha um bom coração. Trabalhava bastante para conseguir bens para seu próprio deleite, mas deixava de valorizar o que tinha conquistado de importante.

Um dia percebeu que estava perdendo aquilo que realmente importava. O sentimento de medo então tomou conta de todo o seu ser e a angústia invadiu seu coração. Era tarde, estava tudo tão distante, tão difícil, será que conseguiria ter sua vida de volta? Pensando nisto, sua cabeça doía e ele já não comia. O trabalho perdeu a graça, nada o satisfazia. Sua mente era tomada por pensamentos ruins o tempo inteiro, o seu coração tornou-se pequeno para tamanha dor.

Qual a solução para este homem? O que fazer para a situação mudar? Ele já não queria ficar da mesma forma. Agora quer fazer diferente, deixar de lado as coisas passageiras e ficar com as mais importantes. Mas será que vai acontecer? Poderá ele correr atrás do que importa? Dará tempo para mudar a sua vida?

A situação relatada acima pode acontecer com todos nós, qualquer semelhança é mera coincidência. A diferença está no final da história. Planejamos o início de nossa vida, no meio ocorrem mudanças e no final não sabemos o que acontecerá. .

Nunca é tarde para se arrepender e corrigir os erros, mas o sucesso está em um detalhe muito importante: DEUS!! É Ele que faz nossa história ser diferente, ser melhor.  Para o homem acima existem dois finais, aquele que ele mesmo criará, com suas próprias forças, sem visão do futuro e o final proposto por Deus que conhece todas as coisas e domina sobre tudo e todos. Qual será o melhor?


Vão chegar momentos  em nossa vida que olhamos para todos os lados e não vemos saída, precisamos estar preparados e Deus precisa estar conosco para tirar-nos da situação. Mesmo quando parece tudo perdido Deus entra com provídência e tudo pode ser resolvido.


Lembre-se: se tiver que correr atrás de algo nesta vida, corra para Jesus e nos caminhos que Ele tem proposto para você. Não deixe de valorizar aquilo que é realmente importante para não ter que correr atrás do prejuízo.

Sem mais, fiquem na Paz!

domingo, 26 de agosto de 2012

CRENTE VEGETARIANO E CRENTE CARNÍVORO (ONÍVORO)


Antes de tudo, quero relembrar a todos que Deus é sábio. Ele criou o estômago, o paladar e as comidas, colocou o ser humano no topo da cadeia alimentar.

Tantos as carnes quanto os vegetais possuem valores nutritivos para o ser humano:

Vegetais: proteínas, carboidratos, lipídeos, vitaminas e sais minerais;

Carne: água, proteína, lipídeos, vitaminas, e minerais.

Sou um cristão que come carnes e tenho total respeito pelas pessoas que escolhem viver a vida como vegetarianas. Gosto não se discute.

Sou aquele que classificam como onívoro. Isto é, eu como de tudo. Mamíferos, répteis, aves e anfíbios. Também aprecio plantas e os produtos delas: frutas, legumes, verduras, hortaliças, tubérculos. Mas, ainda não tive coragem para experimentar o gafanhoto, inseto predileto do profeta João Batista, que apesar de não comer carne, vestia-se com pele de animal. (não tenho esses sonhos de consumo alimentar e nem de moda!). Mateus 3.4; Lucas 7.33.

Apesar de me alimentar com carnes vermelhas e brancas, não sinto falta delas. Aceito de bom grado os pratos contendo vegetais e legumes. Mas também não sinto falta e nem faço questão por ter apenas eles. Aprendi que a porção mais rica nutricionalmente é o prato que contém o maior número de cores. Então, gosto mais do almoço ou jantar cuja refeição é multicolorida, não pelo sabor, mas porque sei que é o mais saudável para mim.

Ao ler a Bíblia Sagrada, eu me lembro que no princípio o Criador da fauna e da flora manifestou o desejo que o ser humano fosse vegetariano, mas depois do dilúvio determinou que comesse carne (Gênesis 1.29-31; 2.9, 16; 3.2-3). Encontramos nas Escrituras Sagradas muitos registros sobre a liberdade cristã quanto às preferências pela comida.

Não existe da parte do Senhor uma receita culinária, orientando a comer, ou deixar de comer, vegetais ou carne. Existe regramento sobre quais condições das carnes que devem ser comidas e a proibição de beber sangue.

Atos 21.25: "Quanto aos gentios convertidos, já lhes escrevemos a nossa decisão de que eles devem abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual".

Quanto à culinária, existe a proibição contra quem queira acabar com a liberdade que o cristão tem para alimentar-se. Ninguém tem base doutrinária para criar regras sobre o que o cristão deve ou não ingerir. Não há nenhuma pessoa sobre a terra com autoridade espiritual que possa apresentar base doutrinária impondo diretrizes sobre o que o cristão possa comer ou precisa evitar comer.

As Escrituras são duríssimas contra aqueles que tentam restringir a liberdade à mesa. 1ª Timóteo 4.1-5, veja: “O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios. Tais ensinamentos vêm de homens hipócritas e mentirosos, que têm a consciência cauterizada e proíbem o casamento e o consumo de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ação de graças pelos que crêem e conhecem a verdade. Pois tudo o que Deus criou é bom, e nada deve ser rejeitado, se for recebido com ação de graças, pois é santificado pela palavra de Deus e pela oração”.

Em Atos 10.9-16, encontramos a passagem em que o apóstolo Pedro tem um arrebatamento de sentidos e recebe uma revelação por três vezes seguidas de uma voz que lhe diz: "mata e come". A voz manda-o matar e comer animais de todas as espécies, todos as espécies de animais que a religião judaica considerava, cerimonialmente, limpos ou imundos.

Quem quer ser vegetariano, seja. Quem é carnívoro, que coma carne. Onívoros, bom apetite! Referências: Neemias 8.10; Jeremias 17.1; 29.5; 1 Coríntios 10.25.

Há proibição dos excessos alimentares. A glutonaria é pecado. Deus não aceita os glutões, sejam eles apreciadores dos vegetais ou da carne (Gálatas 5.16-23). Aqui na terra, carnes e vegetais fazem parte do cardápio do cristão, mas quando chegarmos no céu não teremos mais fome (Apocalípse 7.16).

O apóstolo Paulo defendeu a preferência e a liberdade gastronômica do cristão, portanto, que o gosto culinário de cada um não seja pretexto para contendas.

“Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu” - Romanos 14.2-3.

A única espécie de carne condenável nas Escrituras Sagradas é no sentido simbólico. O Novo Testamento usa o termo "carne" para designar o desejo do coração humano para pecar (Gálatas 5.16-23).

E.A.G.


Sem mais e com muita fome, fiquem na Paz!

Fábio

Leia também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...